ANTROPOLOGIA. Uma lenda indígena brasileira: Potyra.

LIEBSTERBLOGAWARD MLD

Potyra

A Lenda dos Diamantes

(Tribo Tupi)

          A linda e meiga Potyra amava o jovem e valente chefe da tribo, o guerreiro Itajibá, o braço de pedra.  Ambos encontravam-se frequentemente nas areias brancas do rio, onde permaneciam durante horas admirando a natureza e trocando juras de amor, enquanto aguardavam o casamento.

          Certo dia, veio a guerra. A tribo foi atacada por inimigos, partindo Itajibá para a luta. Ansiosa, Potyra esperava sua volta, caminhando às margens do rio.

          Muito tempo depois, os guerreiros regressaram, informando à jovem que o chefe guerreiro havia morrido. Inconsolável, Potyra voltava todos os dias à praia a chorar sua grande perda. Sensibilizado com a sua dor, Tupã, o Deus do Bem, transformou suas lágrimas em diamantes. Desta maneira, as águas levavam as preciosas pedrinhas até a sepultura do guerreiro, como prova de seu eterno amor.

Walde-Mar de Andrade e Silva

Reflexões:

1- Os povos indígenas ainda ajudam a preservar a natureza?

2- Pode o índio vender os produtos da terra visando lucro?

3- Qual a sua opinião sobre os pedágios indígenas, cobrados em dinheiro dos caminhoneiros e viajantes, em estradas do Brasil afora?

4- Se um índio dirige carro, usa roupas e assiste à TV, ele deixa de ser índio?

5- Você sabe se existem tribos ou índios conectados à internet? Será que alguns deles frequentam Universidades? Por que o fazem e o que você pensa disso?

Potyra
A Lenda dos Diamantes

Anúncios

2 Comentários (+adicionar seu?)

  1. MariaDario
    set 13, 2012 @ 17:29:18

    Tem toda razão, Profa. Helena, e nós, aqui, no Brasil, nascemos com o privilégio de conhecê-los e apreciar a sua cultura muito amiúde.

  2. Helena Villar Janeiro
    set 13, 2012 @ 08:43:04

    Son as comunidades que viven con normalidade integrados na natureza. Pero o seu futuro está ameazado pola “civilización”.