Ética e Filosofia da Arte. Sobre o Amor. Paulo de Tarso, Luís de Camões e Renato Russo. Feliz Natal a Tod@s!

Ainda que eu falasse a língua do homens. E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.

É só o amor, é só o amor. Que conhece o que é verdade. O amor é bom, não quer o mal. Não sente inveja ou se envaidece.

O amor é o fogo que arde sem se ver. É ferida que dói e não se sente.

É um contentamento descontente. É dor que desatina sem doer.

Ainda que eu falasse a língua dos homens. E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.

É um não querer mais que bem querer. É solitário andar por entre a gente. É um não contentar-se de contente. É cuidar que se ganha em se perder.

É um estar-se preso por vontade. É servir a quem vence, o vencedor. É um ter com quem nos mata a lealdade. Tão contrário a si é o mesmo amor.

Estou acordado e todos dormem todos dormem todos dormem. Agora vejo em parte, mas então veremos face a face.

É só o amor, é só o amor. Que conhece o que é verdade.

Ainda que eu falasse a língua dos homens. E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.

Em 1989, a banda Legião Urbana lançou em seu álbum, As Quatro Estações, a música Monte Castelo. Essa música, escrita pelo Renato Russo, vocalista da banda, partiu de uma criativa e inteligente adaptação do Soneto 11 de Luís Vaz de Camões e de Coríntios –  capítulo  13, versículos 1, 2 e 3.

Fernanda Belinelo

http://poesiaeoutrasmidias.arteblog.com.br/208556/Legiao-Urbana-e-adaptacao-da-poesia/
Anúncios

Comentários desativados.