Filosofia da Arte. Poema. Hölderlin

pixabay com dragonfly-382238_640

Às Parcas

Mais um verão, mais um outono, ó Parcas,
Para amadurecimento do meu canto
peço me concedais. Então, saciado
Do doce jôgo, o coração me morra.

Não sossegará no Orco a alma que em vida
Não teve a sua parte de divino.
Mas se em meu coração acontecesse
O sagrado, o que importa, o poema, um dia:

Teu silêncio entrarei, mundo das sombras,
Contente, ainda que as notas do meu canto
Não me acompanhem, que uma vez ao menos
Como os deuses vivi, nem mais desejo.
(Tradução de Manuel Bandeira)

HOLDERLIN

Anúncios

Comentários desativados.