Urbex – ¨Escola Abandonada¨. Daniel Pátaro


Campinas do século XX. Uma escola abandonada. Uma descoberta fascinante.
Obrigada, Daniel Pátaro.

Daniel Pátaro

Urbex Brasil Escola Fotografia Daniel Pátaro

Com a temperatura novamente acima dos 30 graus (chegou a 33,6ºC hoje) saí para explorar as ruínas de um escola do início do século. Foi construída, provavelmente, na década de 1910 e localiza-se no bairro hoje chamado Carlos Gomes Velho, em Campinas.

Urbex Brasil Escola Fotografia Daniel Pátaro

Antigamente ali era a Fazenda Duas Pontes, a maior produtora de café da história do município, ao lado da estação ferroviária Desembargador Furtado (1901).

Urbex Brasil Escola Fotografia Daniel Pátaro

A primeira metade da década de 1920 caracterizou-se pelo auge da produção cafeeira em grande parte do território paulista. Porém, no final dessa década, houve uma crise da economia cafeeira, atingindo grande parte do estado de São Paulo. A decadência da produção ocorreu pelo desgaste das terras da região, pelas geadas que acabavam com as lavouras, pela diminuição da exportação motivada pela alteração da qualidade do café, pela concorrência de outros países e pela crise econômica de 1929

Ver o post original 63 mais palavras

Anúncios

Antropologia. Africanidade. O cruel tratamento destinado aos negros durante a escravidão, cantado por Dorival Caymmi.

Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Eu quero morrer de noite, na tocaia me matar
Eu quero morrer de açoite se tu, negra, me deixar
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Meu amor, eu vou-me embora, nessa terra vou morrer
Um dia não vou mais ver, nunca mais eu vou te ver
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Eu quero morrer de noite, na tocaia me matar
Eu quero morrer de açoite se tu, negra, me deixar
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê (Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê)
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Meu amor, eu vou-me embora, nessa terra vou morrer
Um dia não vou mais ver, nunca mais eu vou te ver
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê (Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê…)
Vida de negro é difícil, é difícil como o quê
Clique na imagem de Caymmi para ouvir a canção!
A Escrava Isaura – Bernardo Guimarães – Primeiro Capítulo
https://www.youtube.com/watch?v=bMBUT2sg-w0
¨Cantinho das Perguntas¨
Quem é curioso sabe mais. Quem é curioso vai mais longe.
¨Por Uma Pedagogia da Pergunta¨. Paulo Freire